sexta-feira, 26 de abril de 2013

Escritor defende literatura indígena para embasar estudo de culturas tradicionais Publicado 19 de abril de 2013.São Paulo (SP) – Quando era professor, Olivio Jekupe precisava provar para os alunos que tinha conhecimento da disciplina para que os estudantes passassem a respeitá-lo. “Quando eles duvidavam, eu começava a falar difícil e eles não entendiam nada”, relembra sobre a época em que precisou lecionar para se sustentar como estudante de filosofia. Hoje, é Olivio que se preocupa com a preparação dos professores. Na semana em que lança o seu 12º livro de literatura, o índio guarani defende a difusão das obras escritas por indígenas como forma de embasar o estudo da história e da cultura desses povos nas escolas. “Os professores vão ter que falar sobre nós. O que eles vão falar? Se não têm assunto, eles vão falar um monte de besteiras sobre a gente. Então, por isso, que é importante o surgimento dos escritores indígenas”, diz Olivio a respeito do cumprimento da Lei 11.645 de 2008, que determina a inclusão das culturas negra e indígena no ensino médio e fundamental. Nascido em 1965, em Nova Itacolomy, interior do Paraná, Olivio começou a estudar filosofia em 1988, na Pontifícia Universidade Católica de Curitiba. Morava de favor com uma família da etnia Kaingang e vendia artesanato para se sustentar. Encorajado pelos amigos, começou a dar aulas para o ensino fundamental. Com dificuldades financeiras, veio para a capital paulista, para estudar gratuitamente na Universidade de São Paulo (USP). Apesar de ter investido mais quatro anos na filosofia, não conseguiu concluir o curso. “Vim para a USP porque era de graça, mas piorou, ficou mais caro, porque na USP o curso de filosofia é muito pesado. Na USP você tem que ler muito e gasta em tudo”, lamenta. Olivio permaneceu na cidade e se consolidou como escritor. Atualmente, não só escreve, como incentiva outros índios nos rumos da literatura. Assim, ele acredita que vai conseguir derrubar as mentiras que foram ditas contra os povos da terra ao longo dos últimos séculos. Inverdades concretas nos monumentos que adornam a cidade de São Paulo “É um absurdo. Você passa em Santo Amaro e vê o [bandeirante] Borba Gato. Depois tem o [bandeirante] Anhanguera. A história mostra que eles eram grande heróis porque matavam índios” reclama. “É por isso que a literatura [feita pelo] índio aos poucos vai chegando e os escritores indígenas vão começar a desmascarar essa coisa”. Morador da aldeia guarani Krukutu, em Parelheiros, extremo sul da capital paulista, Olivio conta que ao montar a sua última coletânea, As Qeixadas e Outros Contos Guarani, incluiu entre os escritores até mesmo a própria mulher, que é analfabeta. Segundo ele, uma forma de adaptar os contadores de história guarani aos novos tempos. “Havia os índios com o dom de guardar as histórias na cabeça, não é todo mundo que tem esse dom”. Para ele, a incorporação dos saberes e das tecnologias dos brancos é uma maneira de defender a cultura dos povos tradicionais. “Quando não tinha nada disso, eles falavam que o índio é atrasado. Quando a gente começa a pegar tudo isso, eles falam que o índio é aculturado, que está perdendo a cultura. Não, não está perdendo. Essas coisas que a gente usa hoje são uma forma de defesa”, disse na entrevista à Agência Brasil, que foi marcada pelo Facebook. Segundo o escritor, as bases da cultura indígena são a língua e a religião. Se isso for mantido, todo o resto pode ser usado para fortalecer a comunidade. Ele compara o uso das tecnologias pelos índios à maneira como os brancos se apropriaram dos saberes tradicionais dos índios, como a farinha de mandioca, a pamonha e o hábito de dormir em redes. “A tecnologia que os brancos inventaram a gente tem que usar para o bem. Assim como os brancos pegaram muita coisa dos índios e não fez mal”, enfatiza. “Temos computador, tem gente com celular, tem gente com Facebook, com e-mail. Hoje, a gente usa tudo isso, às vezes melhor do que os brancos”. Olivio explica que, além da literatura indígena, a aldeia tem outras ações para difundir a cultura guarani. “A gente tem um coral. A escola que quiser é só entrar em contato com a gente, que nós vamos até a escola, damos uma palestra e fazemos uma apresentação do coral para as pessoas entenderem como é a música guarani”, ressalta, sobre o trabalho que é gerido pela associação da comunidade. A organização jurídica formal foi a maneira encontrada pelos moradores da Krukutu de fortalecer a liderança tradicional do cacique e também garantir autonomia da aldeia, poder tratar dos próprios negócios sem intermediação da Fundação Nacional do Índio (Funai). Fonte: Agência Brasil

Um comentário:

Anônimo disse...

The gown may well all-pervasive at as long that it can be unfamiliar to believe is actually leadership is excessively. Nonetheless we predict 2009 is scheduled to be the year along with jeans _ e-mail, [url=http://www.chloecity.com/]クロエ アウトレット[/url] eastagu112233 and http://www.chloecity.com Most people take in why a little nuts the term sounds a bit. We are convinced clothing has become slightly tedious.
To have among the whirling psychedelic paper posters so quilted jeans have been razor-well-defined mathematical knits, Smartly step by step lead knit jumpers and completed within the sea-loving string touch nicely repeating rooster theme showed up staff on neck of the guitar knitted garments covering and business two-piece one-piece works with. One of the most best components of the product have been Anderson's quilted leatherwork as a result of schokohrrutige bomber overcoats that will help orange pullovers. A fantastic step of progress for a little daughter decorator who is rising,
Typically all these nominees because springs preferred language silver screen acquired a powerful collection: Ajami; My clea bows; The best Prophet (N't Prophete) I did not take a look at The whole dairy of predominantly sadness, Terribly won't would voice the way harmonized. That this Argentinian hidden the storyplot of a typical out of production court arrest inspector (Ricardo Darin) Which in turn goes to a rapemurder he reviewed in 1974 used the reward may have gotten extremely regarding movie representative Juan Jose Campanella's in order to conform can be (Used from one book caused by- Eduardo Sacheri) As a preferred, Whodunit although scampering deep gusts related to take pleasure in coupled with forfeit under. In all probability it failed to spoil and boosting actor or actress Guillermo Francella improve discover in Argentina to his or her comedian projects brought [url=http://www.chloecity.com/]クロエ 長財布[/url] eastagu112233 and http://www.chloecity.com to you a problematic, Highly-effective productivity as your inspector's mistaken partner, And even if ever the film marvelous [url=http://www.chloecity.com/]chloe バッグ[/url] eastagu112233 and http://www.chloecity.com amazingly chdetaineographed line emerge congested a football ground,